31 de janeiro de 2015

Procon estuda punição para o Detran Macaé

Até o início de fevereiro, o Procon de Macaé estará emitindo uma medida punitiva para o Detran, devido à demora no atendimento, bem como inviabilidade no agendamento na cidade, através do portal do órgão. Esse desserviço tem resultado em prejuízo para motoristas ou proprietários de veículos.  O processo instaurado pelo próprio Procon encontra-se no departamento jurídico, que agora estuda uma punição. 
O processo foi aberto pelo próprio coordenador, Carlos Fioretti. “Adotamos essa medida porque não aceitamos a resposta que nos foi oferecida. Ela não atende nem a nossos interesses, nem da sociedade”.
Segundo ele, o Detran através de sua diretoria, informou que Macaé possui 210 vagas para agendamento por dia, mas priorizando idosos e deficientes físicos. Mas que, apenas 200 agendamentos podem ser feitos via portal. A informação oficial contradiz com os usuários que são penalizados quando precisam dos serviços. Se acessam o portal para agendar vistoria são informados laconicamente que não há vaga para Macaé e consequentemente encaminhada para as cidades mais próximas como Casimiro de Abreu. E nem sempre com data próximo ao desejado, já que a mesma vem servindo para desafogar a falta de espaço de Macaé.
Fioretti detalha que, além do processo instaurado pelo órgão encaminhará os procedimentos para o Ministério Público para que seja aberta outra ação de tutela coletiva contra o Detran para solução definitiva dos problemas. No ano passado, como os usuários tentaram agendar e chegaram a amargar mais de trinta dias na fila de espera e ainda foram remanejados para outras cidades. Somente o posto de Macaé foi sinalizado como responsável por 625 reclamações, dentre elas desconhecimento de procedimento, falta de vaga para vistoria e irregularidades na emissão do kit gás.
O Detran além da falta de atendimento público apresentou problemas empregatícios, com funcionários fazendo greve devido a atraso no pagamento de salários, falta de instalações sanitárias adequadas tanto para público interno como também para o externo. O constrangimento era grande, pois a maioria dos atendentes do Detran são mulheres e não tinham como fazer suas necessidades sem ficarem expostas. Muitas em caso de emergênciasolicitavam a ajuda de vizinhos do galpão localizado na Aroeira. O mesmo se aplicava para mulheres motoristas, já que os serviços realizados são demorados e por vezes, levam quase um período inteiro ou mesmo um dia para conclusão. Após essa denúncia, o Procon entrou com processo e obteve sucesso, fazendo com que o pagamento fosse restabelecido e instalados banheiros sanitários móveis cujo numero pode ser ampliado conforme a necessidade de utilização.

 http://www.cliquediario.com.br/en/jornal/jornal_diario/4889/Procon-estuda-puni%C3%A7%C3%A3o-para-o-Detran-Maca%C3%A9.htm

Rio das Ostras tem uma Hortifruti novinha!

O Rio do Jazz, das baleias e das lagoas, agora também é o Rio da vida saudável! Hoje inauguramos em Rio das Ostras nossa 31ª loja. Foram muitos pedidos, mas estávamos preparando uma loja bem bonita e com tudo que os clientes da cidade têm direito: as frutas, verduras e legumes fresquinhos característico da rede; a variedade do mix de produtos de mercearia, setor de pães, vinhos, carnes. Sem contar nas delícias prontinhas e sempre quentinhas da rotisseria. E não poderia faltar também o queridinho: o setor de Salata Express!
Para quem busca praticidade não pode deixar de conferir o setor de processados e prontos para o consumo: são frutas, legumes e verduras já cortados e higienizados para agilizar qualquer refeição. Você pode levar também sucos 100% naturais feitos todos os dias, e ainda tem sanduíches também naturais para todos os t
Aí está uma amostra do que preparamos! Venha conhecer a loja que fica na Av. Brasil, 10, na Extensão do Bosque, em frente à Praça Prefeito Claudio Ribeiro.

Ascom Hortifruti

'Gato de luz' leva cinco à cadeia em Macaé

Uma operação da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) com a Ampla e outras empresas de serviço público em Macaé resultou na prisão de cinco pessoas na cidade ontem (29) por furto de energia. Durante a fiscalização, técnicos da empresa e peritos da Polícia Civil constataram irregularidades na medição de energia nos bairros Visconde de Araújo, Ajuda e Aeroporto. Além disso, foram contabilizados oito registros de ocorrência na cidade.

Além de ser crime, com pena prevista de um a oito anos de reclusão, os chamados “gatos de luz” afetam diretamente a qualidade do serviço prestado pela distribuidora e põem em risco a população, principalmente as pessoas que manipulam a rede elétrica. As ligações irregulares podem causar curtos-circuitos e sobrecarga na rede elétrica, ocasionando interrupção no fornecimento de energia.

Para conscientizar a população sobre o perigo do furto de energia, a Ampla realiza, além dos operativos, diversos projetos sociais em comunidades, com informações sobre o uso eficiente de energia elétrica, programas para geração de emprego e renda e revisão gratuita de instalações elétricas de consumidores com menor poder aquisitivo.

Os clientes que quiserem denunciar o furto de energia podem fazê-lo pela internet: <www.ampla.com> ou pelo Twitter da empresa (@amplaenergia). Não é necessário se identificar. › FONTE: Macaé News (www.macaenews.com.br

Contrato publicitário impede que casal se separe após flagrante de traição

Um famoso casal da televisão, ela um pouquinho mais famosa do que ele, passou por uma recente e grave crise depois que o marido descobriu uma traição dela. O que segurou a relação não foi o amor, mas um contrato publicitário de R$ 1 milhão. O vínculo com a marca acaba em maio. Será que continuarão felizes para sempre? Aguardemos.

Mundo: Como a polícia de Los Angeles superou má fama e virou modelo para país

Poucas horas depois da absolvição dos quatro policiais que haviam sido filmados espancando um homem negro em Los Angeles, o centro da segunda maior cidade dos Estados Unidos seria tomado por uma multidão que saqueava lojas, incendiava prédios e assaltava motoristas.

O ano era 1992, e a revolta com a decisão judicial desencadearia o maior levante da história recente dos Estados Unidos, encerrado seis dias depois com um saldo de 63 mortos, mais de 11 mil detidos e um prejuízo de cerca de US$ 1 bilhão.

De lá para cá, a polícia de Los Angeles foi submetida a uma reforma considerada por especialistas um exemplo de sucesso. As mudanças foram impostas pelo Departamento de Justiça do governo americano – que se valeu de uma lei que lhe permite intervir em forças estaduais ou municipais que cometam abusos sistemáticos – após o espancamento do operário Rodney King, que havia se recusado a encostar o carro numa abordagem policial.

King sobreviveu aos golpes dos agentes, mas a insurreição forçaria a polícia de Los Angeles a rever uma série de práticas que haviam lhe rendido a fama de ser uma das mais racistas e violentas forças de segurança dos Estados Unidos.

A experiência é lembrada num momento em que pipocam pelo país protestos contra a violência policial e o modo como as corporações tratam negros e latinos. As manifestações foram impulsionadas pela absolvição dos policiais que em 2014 mataram o jovem Michael Brown em Ferguson, Missouri, e o vendedor ambulante Eric Garner em Staten Island, Nova York. Como Rodney King, os dois estavam desarmados e eram negros.
Força de ocupação

A intervenção na polícia de Los Angeles, que durou de 2000 a 2013, teve como objetivo reduzir o uso da força, criar mecanismos para punir abusos e melhorar sua relação com os moradores.

Leia mais: Relatório de ONG critica mortes pela polícia e prisões 'medievais' no Brasil
Polícia de Los Angeles em 1904 | Foto: DivulgaçãoPolícia de Los Angeles em 1904: em 2005, após a intervenção, número de latinos superou o de brancos

Contrariando previsões de que as ações poderiam favorecer os criminosos, os índices de violência na cidade despencaram durante a reforma. A taxa de homicídios, que na década de 1980 chegou a 34,2 por 100 mil habitantes ao ano, baixou em 2013 para 6,3 (no Brasil, o índice em 2013 foi de 25,2).

A queda foi acompanhada pela melhora na opinião dos moradores sobre a corporação. Segundo um estudo da Escola John F. Kennedy da Universidade Harvard, em 2005 menos da metade dos habitantes considerava a atuação da polícia boa ou excelente. Já em 2009 as avaliações positivas eram compartilhadas por 83% da população.

"Antes da reforma, a polícia operava como uma força de ocupação num território estrangeiro, reprimindo as pessoas nos bairros pobres", disse à BBC Brasil Joe Domanick, diretor do Centro de Mídia, Crime e Justiça na Faculdade John Jay, em Nova York, e autor do livro "Azul: a ruína e a redenção da Polícia de Los Angeles".

Leia mais: Retórica inflamada e brutalidade marcam debate sobre 'policiais soldados' nos EUA

Leia mais: Tensão racial nos EUA revela 'militarização' da polícia americana

Após a intervenção, Domanick diz que a corporação passou a enfocar um modelo de policiamento comunitário, cultivando laços com líderes locais e ativistas. A mudança de postura, segundo ele, é evidente em conjuntos habitacionais onde policiais foram alocados permanentemente.

"Esses policiais não estão lá para prender as pessoas, para dar voz de prisão a alguém que esteja fumando um baseado. É claro que agirão se presenciarem algo grave, mas eles estão lá para se aproximar da comunidade e manter os jovens longe das grades."

Com a nova estratégia, diz Domanick, moradores passaram a cooperar mais com as investigações e ajudar a polícia a combater ameaças maiores, como a ação de gangues na vizinhança.
Combate a abusos

A reforma também fortaleceu os três órgãos encarregados de investigar abusos na corporação. A ação gerou temores de que policiais pudessem deixar de executar suas funções para evitar punições, mas o estudo da Escola John F. Kennedy mostra o contrário.
Aprovação de moradores aumentou, mas ainda há críticas sobre excesso de violência e racismo
Policiais interagem com moradores em bairro pobre de Los Angeles | Foto: DivulgaçãoSegundo a pesquisa, a partir de 2002, a polícia ampliou tanto o número de abordagens quanto o de prisões. Houve ainda um crescimento na proporção de detidos que acabaram denunciados pela Promotoria, o que indica que a polícia passou não só a deter mais, mas também melhor.

Leia mais: Programa da polícia identifica alunos com potencial para violência nos EUA

"A reforma da polícia de Los Angeles deu certo porque houve uma combinação entre supervisão externa e liderança", diz à BBC Brasil Christine M. Cole, vice-presidente e diretora executiva do Instituto de Crime e Justiça de Harvard e uma das autoras do estudo.

O principal líder do processo foi William Bratton, que comandou a corporação entre 2002 e 2009. Em 2014, Bratton assumiu pela segunda vez a chefia da polícia de Nova York, onde ordenou uma redução drástica na aplicação do "stop-and-frisk". Esse método de abordagem e revista de pessoas tidas como suspeitas era alvo de críticas na cidade por ser aplicado desproporcionalmente em negros e latinos.

Já a supervisão da reforma coube a quatro atores: um juiz federal, um representante do governo federal, uma comissão formada por civis e um inspetor independente.

Leia mais: Quando é legítimo para um policial atirar para matar?
Cotas para mulheres e minorias

Com a reforma, a polícia também alterou seu processo de contratação. Para acabar com o predomínio de homens brancos em seus quadros – o que, acreditava-se, alimentava a desconfiança em relação às minorias e perpetuava comportamentos racistas –, foram definidas cotas para mulheres, negros e latinos.

Desde 2005, há mais latinos do que brancos na corporação, assim como no resto de Los Angeles. O número de policiais negros tem se mantido estável (7,2%) em patamar próximo ao percentual do grupo na cidade. Já a proporção de mulheres ainda é baixa (19%), embora crescente.
Estratégia de relações públicas para melhorar imagem de policiais inclui até ações com Papai Noel

Nem todos, porém, ficaram satisfeitos com a reforma. No fim de 2014, quando os protestos nacionais pela morte de Michael Brown chegaram às ruas de Los Angeles, manifestantes também criticaram a polícia local.
Ação da polícia com Papai Noel | Foto: DivulgaçãoUma das organizadoras locais do movimento Black Lives Matter ("As vidas dos negros importam", o principal slogan dos protestos), Melina Abdullah diz que a reforma não alterou a essência da corporação. "A Polícia de Los Angeles continua sendo uma das que mais matam no país", afirmou.

Ela diz que muitos policiais que cometem abusos continuam em seus cargos e que, embora tenha deixado de ser majoritariamente branca, a corporação mantém um "desprezo pelas vidas dos negros".

Procurada pela BBC Brasil, a polícia de Los Angeles não se pronunciou sobre as críticas.

As queixas indicam que, apesar das mudanças, a corporação não está imune a um debate mais amplo sobre racismo e violência policial nos Estados Unidos e não foi capaz de vencer integralmente a batalha pela confiança dos moradores.

30 de janeiro de 2015

Rio das Ostras: Como perguntar não ofende, quanto custou isto aos cofres públicos da cidade ???

Alejandro Claveaux, Gabriel Godoy, Kayky Brito, Felipe Simas e Nando Rodrigues estão confirmados no tradicional Futebol dos Artistas, no domingo (1º), às 15h, na Praia de Costazul, em Rio das Ostras. Os atores vão jogar contra uma equipe formada pela secretaria de Esporte e Lazer.
No dia anterior, sábado (31) acontece a partir das 9h, a 2ª Edição da Copa Rio das Ostras de Futevôlei que contará com atletas de Rio das Ostras e cidades vizinhas. Os dois eventos fazem parte da programação do Projeto Verão. 

No final de semana dos dias 7 e 8, fim de semana que antecede ao Carnaval, haverá o I Torneio de Altinha de Praia, no sábado, a partir das 9h, e o Futebol dos Artistas feminino, com a presença das atrizes Ana Ju Dorigon, Ana Rios, Bruna Hamú, Isabella Santoni e Jeniffer Nascimento.

Homem é preso com drogas após denúncia em Rio das Ostras

Droga apreendida em Rio das Ostras (Foto: PM/Divulgação)
Um homem foi preso com drogas no bairro Extensão do Bosque, em Rio das Ostras durante a tarde de quinta-feira (30). De acordo com a Polícia Militar, uma denúncia anônima informou que o suspeito estava comercializando drogas na Rua São Paulo. O suspeito tentou fugir, mas foi capturado e levou os militares até sua casa.
Dentro do armário da cozinha e no quarto foram encontrados 120 pinos de cocaína, 32 buchas de maconha e R$ 132 em espécie. O material e o suspeito foram encaminhados para a 128ª DP de Rio das Ostras, onde o suspeito foi atuado pr tráfico de drogas e permaneceu preso.

Polícia realiza operação contra furto de luz e água em Macaé

Uma operação para combater furtos de energia elétrica e água em Macaé, no Norte Fluminense.
De acordo com policiais da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), até o momento, cinco pessoas foram presas por furto de energia. Além disso, 15 comércios e 32 residências foram fiscalizadas.
A ação conta com o apoio da Light, CEG e Cedae.

Polícia Militar apreende mídias piratas em banca de um camelô em Macaé

Policiais militares apreenderam 82 DVD’s e 12 CD’s durante um patrulhamento pelo Centro de Macaé na tarde de quinta-feira (29). O material, de acordo com informações da polícia, estava sendo comercializado em uma banca de camelô na esquina da Avenida Rui Barbosa com a Silva Jardim. 
O material foi recolhido e encaminhado para a 123ª Delegacia de Polícia de Macaé. Os ambulantes foram levados para a DP, prestaram depoimentos e foram liberados. As mídias falsificadas ficaram apreendidas na unidade policial.